Publicações

Teses

Sistemas deliberativos e o Marco Civil da Internet: contribuições epistêmicas e democráticas das consultas públicas online (2020)

CAPONE, Leticia

Orientador: Prof. Dr. Arthur Cezar de Araujo Ituassu Filho

Resumo: Esta tese no campo da comunicação política dialoga com as noções de público, de John Dewey (2012[1922]), e esfera pública, de Habermas (1991; 1997; DAHLGREN, 2005; CALHOUN, 1992), com a teoria dos sistemas deliberativos (PARKINSON; MANSBRIDGE, 2012; ELSTUB et al., 2016; HENDRIKS, 2015), bem como com a literatura especializada em consultas públicas online (SHANE, 2012; COLEMAN; SHANE, 2012). O objetivo é analisar a comunicação política que se formou a partir das duas consultas públicas online sobre o Marco Civil da Internet de modo a perceber contribuições epistêmicas desse processo por meio da análise de material midiático e dos discursos dos Deputados e Senadores no Congresso Nacional. Nesse sentido, esta pesquisa tem por base duas research questions: (RQ1) de que forma as consultas públicas online do Marco Civil da Internet informaram, do ponto de vista da comunicação política e da deliberação, o sistema deliberativo que se construiu em torno do tema?; e (RQ2) que ganhos epistêmicos e democráticos as consultas públicas online do Marco Civil da Internet podem ter trazido ao sistema deliberativo e ao processo decisório? Com o intuito de entender “significados compartilhados” a partir das duas consultas públicas online sobre o Marco Civil da Internet, os procedimentos metodológicos utilizados incluíram buscar, pela observação dos comentários dos participantes no momento das consultas, enquadramentos e argumentos utilizados para cada grande tema do debate, resultando em 322 indicadores (ou argumentos que sustentaram cada enquadramento), divididos no espectro analítico dos direitos e das responsabilidades dos seguintes atores: 1) governo, 2) provedores e empresas prestadoras de serviços de internet; e 3) usuários. Ao fim, enfatiza-se que os significados gerados a partir das duas consultas públicas online para cada enquadramento circularam pelos dois espaços deliberativos analisados - mídia e Congresso Nacional - tanto em termos de diversidade de posicionamentos, quanto em relação à sua ampla utilização, sendo possível perceber uma conexão relevante do sistema deliberativo em torno do Marco Civil da Internet, a partir dos argumentos desenvolvidos nas duas consultas públicas online e utilizados nos espaços deliberativos analisados.

Leia

Micro-narrativa seriada do folhetim eletrônico: a estratégia mercadológica da chamada da telenovela no novo mapa das mediações. (2019)

ALMEIDA, Regina

Orientador: Prof. Dr. Miguel Serpa Pereira

Resumo: No novo mapa das mediações, onde se reconhece o papel essencial dos meios de comunicação, no Brasil especialmente a televisão, como espaços-chave de produção cultural, ao lançar um olhar para os textos das chamadas da telenovela e para a forma como estas são veiculadas pela mídia de chamadas, percebemos uma possibilidade de criar um sentido para a trama dessa telenovela, que é estruturada de forma seriada, continuada, por um longo período de até oito meses. Esta tese se propõe a demonstrar como, a partir da produção dos textos de chamadas de uma telenovela veiculados por um mecanismo estratégico mercadológico, usado pela emissora Rede Globo de televisão, que é a mídia de chamadas, constrói-se a tessitura de uma micro-narrativa dos temas desenvolvidos pela narrativa do folhetim eletrônico ao longo de sua exibição. Para empreender essa pesquisa foram analisados todos os textos das chamadas produzidas para o lançamento e a manutenção da telenovela Avenida Brasil, último fenômeno de audiência, também com grande repercussão no ambiente digital, veiculada pela Rede Globo em 2012.

Leia

A vida material do livro: um estudo sobre materialidade, experiência e o não-automatismo das coisas (2019)

BELEZA, Joana

Orientador: Profª Drª Claudia da Silva Pereira

Resumo: A presente pesquisa objetiva iluminar a participação do livro dentro de um recorte específico da arte contemporânea, na expectativa de talvez ali encontrá-lo como organismo vivo, inacabado, não restrito às habituais representações – neste campo que busca não raro descontruir o lugar das representações e provocá-las com impermanências. Observamos o livro sob a proposição de apresentar-se ali como coisa, elemento material descansado do signo social e literário, produzindo obstáculos conceituais. Partindo da distinção objeto e coisa, a tese sugere haver ainda na contemporaneidade uma relação possível entre materiais, experiência e não-automatismo, ainda que estejamos constantemente envolvidos por um universo bastante amplo e onipresente dos signos. Investe, por isso, em atuações não naturalizadas do livro, nas quais os significados se apresentam transitórios e flutuantes - nunca permanentes, nunca antes -, estando em movimento constante a cada interação -, uma relação singular e dialética entre pessoas e coisas, que, segundo autores aqui trabalhados, construiria simultaneamente a ambos. Buscando experimentar as “estranhezas” no contato com objetos que não se deixam definir - diante da perspectiva de coisa -, a pesquisa reúne proposições de artistas que fizeram uso do livro como material e instrumento da arte. Movimentos artísticos, buscando a libertação dos padrões clássicos funcionam de base para a construção da categoria “Livro-Coisa”, quando se sugere experimentar o livro antes das palavras e das representações. A categoria torna-se depois materializada em uma instalação artística. A tese encontra fundamentação teórica nos estudos da Cultura Material, a partir de expoentes como Daniel Miller e Tim Ingold, em diálogo com os pressupostos de Heidegger, Didi-Huberman, e outros autores, para, a partir desse todo teórico, refletir acerca da relação contemporânea entre pessoas e coisas, e abordar o objeto com alguma novidade.

Leia

Mulheres em movimento: emancipação feminina, bicicletas e outros bens de consumo (1875-1930) (2019)

BERALDO, Beatriz

Orientador: Prof. Dr. Everardo Pereira Guimarães Rocha

Resumo: Esta tese examina as vinculações entre as dinâmicas do consumo e o movimento feminista, elegendo como objeto central de análise as alianças e tensões construídas entre o consumo de bicicletas e a luta pelo sufrágio feminino – articulação que se deu principalmente nos EUA, durante a segunda metade do século XIX e início do século XX, período que compreende a Primeira Onda do movimento feminista. Enfatiza-se o entendimento do consumo moderno-contemporâneo como um fenômeno social e simbólico que será tratado, nesse texto, com aportes teóricos das Ciências Sociais. Na construção da tese pretende-se analisar as razões históricas que motivaram as mulheres a clamarem seus direitos civis e de que modo essas reivindicações puderam ser impulsionadas pela via do consumo – apresentando, como reforço de argumentação, alguns outros episódios profícuos dessa parceria. Nessa pesquisa de caráter bibliográfico e documental, serão investigadas, com distanciamento histórico, as mutações nas dinâmicas sociais estabelecidas pela participação efetiva das mulheres na cultura do consumo – mudanças traduzidas em maior participação na esfera pública, transformações no vestuário, no comportamento sexual, no acesso à atividade acadêmica e, em última instância, na conquista do direito ao voto. Parte-se da premissa de que o consumo, enquanto elemento central na cultura moderno-contemporânea, deve ser estudado não apenas pelo viés econômico, mas também como um importante código social, a fim de que, ao demonstrar suas lógicas, estruturas e significados, torne-se possível compreender os valores, ideologias e modos que orientam as relações humanas. Em um exercício de aproximação entre a atuação política de mulheres e as suas práticas de consumo, esta tese busca destacar que o estudo das sensibilidades ligadas à temática do consumo pode desnudar ideias e estruturas fundamentais que corroboraram para a construção de um novo paradigma da cidadania feminina no século XX.

Leia

O cibertorcedor entra em campo - um estudo sobre os efeitos das práticas digitais na construção de um torcedor emergente: como a troca do radinho pelo smartphone mudou a forma de acompanhar e valorizar o futebol (2019)

CARAUTA, Alexandre

Orientador: Prof. Dr. José Carlos Rodrigues/ Prof. Dr. Miguel Pereira

Resumo: Esta tese investiga como as novas práticas digitais incorporadas à experiência esportiva desenham uma nova ética do torcer e um novo sujeito nela circunscrito – delineados por reconfigurações de significados, valores, representações e liturgias em torno do espetáculo futebolístico. Por meio de entrevistas em profundidade com espectadores-torcedores regulares de futebol e, de forma complementar, de observações etnográficas referentes ao acompanhamento de jogos em estádio e em casa (TV), o estudo procura mapear e compreender essa emergente etiqueta cibertorcedora. Procura refletir sobre os impactos da cibercultura e da hipermidiatização nas formas de vivenciar, significar e valorizar o futebol e de, por meio dele, construir interações e sentidos.

Leia

Meu parto, minhas regras”: ativismo, comunicação e políticas do corpo na Rede Parto do Princípio. (2019)

CARVALHO, Clarissa

Orientador: Prof. Dr. Leonel Azevedo de Aguiar

Resumo: A tese investiga o ativismo e os sujeitos políticos na cena contemporânea que agenciam práticas e modos de existências, tendo como horizonte cultural e político os direitos reprodutivos e sexuais de mulheres, com análise sobre a Rede Parto do Princípio, coletivo que tem no ambiente sócio-comunicacional digital e ubíquo dos espaços virtuais “da” internet seu principal locus de composição, discussão e deliberação. Locus que escapa de frágeis antinomias como real versus virtual, tal espaço abre-se como um potencial ambiente comunicacional onde um “comum” é possível para o compartilhamento de experiências entre mulheres que ativam outros modos possíveis de pensar os direitos reprodutivos e sexuais. Leva-se em conta questões teóricas que atravessam a comunicação nas últimas décadas tais como: sociedade em rede, comunicação ubíqua e as novas modalidades de ação coletiva e de ativismo. Esboça-se uma tentativa de compor tensões, dissensos e controvérsias comunicacionais em torno de uma problemática: o que dizem tais mulheres, quando falam parto humanizado? E quando falam “meu corpo, minhas regras”? Procura-se entender: 1. os processos comunicacionais que agenciam a construção de pautas e discussões; 2. as articulações entre experiências pessoais de assistência à gravidez e parto e o ativismo; 3. as formas de ação, engajamento e tomadas de decisões; 4. as negociações de sentidos e pertinências entre humanização do parto e direitos sexuais e reprodutivos; 5. as controvérsias entre direitos à saúde reprodutiva e sexual e as demandas do crescente mercado da humanização do parto e do nascimento. Metodologicamente, recorremos a uma etnografia virtual, com participação ativa da pesquisadora nos diversos ambientes da Rede Parto do Princípio e com a produção de entrevistas diretas e posterior análise de conteúdo, além de um estudo crítico sobre os documentos produzidos. Desse compósito, a pesquisa estipulou cinco categorias de análise: ação cívica; mercado/consumo; compartilhamento de experiências; gestão em rede; motivações/pautas.

Leia

A caligrafia do olhar de Karim Aïnouz: Possibilidades políticas de um cinema necessário (2019)

DAUDT, Ana Paula

Orientador: Prof. Dr. Renato Cordeiro Gomes

Resumo: Esta pesquisa procura analisar a filmografia do diretor Karim Aïnouz sob a perspectiva política. O cinema é uma arte que nasce na modernidade: fruto das inovações tecnológicas do século XIX, serviu às utopias das vanguardas, aos revolucionários contra a opressão, como um dos meios através dos quais se procurava levar o esclarecimento às massas. No Brasil, o Cinema Novo é o paradigma da luta pela emancipação nacional e cultural. No contexto atual, em que os grandes ideais da modernidade parecem ter esmaecido e se instaura um pensamento pós-utópico, a relação entre cinema e política é reconfigurada. A ausência de um objetivo comum e de soluções totalizantes por parte dos realizadores dá a impressão de uma luta pulverizada e com uma eficácia duvidosa. Assim, busca-se investigar em que medida o cineasta Karim Aïnouz tenta instigar os espectadores a mudar o “estado das coisas” (Rancière). Sua trajetória profissional, os temas e cenas recorrentes, bem como a estética dos filmes serão levantados para tentar reconhecer tanto o que há de singular quanto as similaridades com alguns outros cineastas contemporâneos, principalmente alguns brasileiros, procurando não uma homogeneidade mas diálogos e convergências geracionais. O foco principal será a relação entre arte e política depreendida tanto da narrativa de cada filme, passando pela escolha de personagens e nas questões que Aïnouz procura suscitar em seu público, quanto na estética e no seu processo pessoal, buscando também desvendar sua caligrafia do olhar. A forma pela qual esse cineasta percebe as possibilidades políticas de seus filmes, bem como seus questionamentos em relação à sociedade e ao próprio fazer cinematográfico, servem para discutir os desafios do cinema frente à mentalidade estagnada do “tempo pós-” em que parecemos viver (Rancière). Também serão discutidas algumas ressurgências (ou permanências) do Cinema Novo e como são retrabalhadas nos filmes analisados.

Leia

O CAMPO JORNALÍSTICO E A “LEI ANTI-HOMOFOBIA”: uma análise das categorizações de pertencimento sobre o projeto de lei da Câmara 122 nos jornais impressos brasileiros (2019)

DEPINE, Juliana

Orientador: Profª Drª Adriana Andrade Braga

Resumo: Uma das principais reivindicações dos movimentos brasileiros de minorias sexuais LGBT nas últimas duas décadas tem sido a aprovação de uma lei que criminalize a homofobia em âmbito federal. O Projeto de Lei da Câmara 122 (PLC 122), conhecido como “lei anti-homofobia”, foi proposto na Câmara dos Deputados em 2001 com o objetivo de incluir a discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero no Código Penal. O projeto foi arquivado no Senado Federal em janeiro de 2015. Considerando que o jornalismo é agente ativo na produção de enquadramentos específicos acerca dos acontecimentos, o objetivo da tese é investigar a cobertura jornalística sobre o PLC 122, entre 2001 e 2015. Nosso material de análise é composto por 619 reportagens de quinze jornais impressos, que cobrem as cinco regiões brasileiras, e utilizamos como ferramenta metodológica a Análise de Categorização de Pertencimento (Membership Categorization Analysis). Como resultado, nossa análise evidenciou quatro padrões analíticos, que englobam as categorizações de pertencimento utilizadas no âmbito dos discursos jornalísticos no período: acerca 1) dos sujeitos LGBT, formuladas como ‘minorias sociais’, ‘vítimas de crimes homofóbicos’ ou como ‘militantes’; 2) do projeto de lei, categorizado como ‘censura’; 3) da prática homossexual, categorizada como ‘opção’ ‘antinatural’; e 4) das instituições brasileiras, definidas ora como ‘fundamentalista’ ora ‘laica’.

Leia

Comunicação e etnometodologia na Feira de São Cristóvão: interação social e comércio na Loja do China (2019)

DUARTE, Cynthia

Orientador: Profª Drª Adriana Andrade Braga

Resumo: O entendimento da condução de iniciativas comerciais de pequeno porte foi a motivação desta pesquisa realizada na Feira de São Cristóvão, um Centro Municipal de Tradições Nordestinas localizado na Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil, cuja formação é reflexo de aspectos sociais, econômicos, culturais e políticos que compõem a cidade e também o país. O anseio de ter a melhor compreensão possível da forma como pessoas envolvidas neste tipo de comércio conduzem seus negócios levou à escolha da atitude de pesquisa: a Etnometodologia. Esta, aliada à Análise da Conversa, permitiu que os dados fossem obtidos a partir dos ambientes e das interações entre as pessoas em seu dia a dia, de forma naturalista, localmente situada. Essa opção por uma análise aprofundada e radicalmente baseada em dados levou à definição de um estabelecimento comercial da Feira a partir do qual o estudo foi desenvolvido, a Loja do China, local em que foram feitas gravações em vídeo, fotografias, observações e conversas que geraram as categorias de análise desenvolvidas nesta investigação, relacionadas a outros espaços da Feira quando pertinente. A investigação permitiu compreender que a competição interna e a desigualdade entre estabelecimentos são características marcantes na Feira, assim como a retroalimentação entre estabelecimentos. O estudo evidenciou ainda que o trabalho cotidiano do comerciante China, e que pode encontrar paralelo em outros comerciantes responsáveis por lojas de pequeno porte nesse ambiente, envolve a ênfase na presença física, o esforço constante para substituir clientes, providências para não depender exclusivamente da estrutura coletiva, poucas relações de amizade e relações de colaboração fundamentais para a manutenção do negócio, além de vários momentos marcados por sociabilidade. As situações analisadas refletem ainda características da sociedade brasileira referentes à valorização hierárquica e à existência de questões de gênero no trato entre homens e mulheres. A pesquisa mostra que as pessoas em seu cotidiano adotam comportamentos metódicos e ordenados e que a Etnometodologia, combinada à Análise da Conversa, oferece acesso a esses métodos e ordens e, em última instância, a entendimentos dos membros e a lógicas vigentes na sociedade.

Leia

Trajetórias do Eu Mochileiro: na estrada de corpo, alma e artefatos (2019)

FALCO, Debora

Orientador: Profª Drª Claudia da Silva Pereira

Resumo: Esta tese propõe investigar a viagem do mochileiro como forma de construção da autoidentidade nas circunstâncias da modernidade tardia. Para tanto, observa-se o posicionamento do sujeito perante a viagem através das representações sociais associadas ao mochileiro. A trajetória do eu deste viajante é observada ainda por meio da relação que este estabelece com os objetos, sobretudo, a mochila e com o consumo como forma de construir este estilo de vida. A metodologia utilizada inclui, além de revisão bibliográfica, entrevista em profundida qualitativa e autoetnografia.

Leia

Androginia e Publicidade: Representações sociais da ambiguidade. (2019)

FRANCA, Eduardo

Orientador: Profª Drª Claudia da Silva Pereira

Resumo: A presente Tese de Doutorado elabora um estudo sobre as representações sociais da androginia em anúncios de moda, veiculados na revista VOGUE Brasil no período de 1975 a 2018, com o objetivo de investigar a capacidade disciplinadora do discurso publicitário em apresentar e representar a fluidez das identidades contemporâneas, neste caso, a androginia - união do masculino e feminino num mesmo indivíduo – e como ela vem sendo tratada pela cultura midiática. A pesquisa realizada é de natureza qualitativa, com análise de conteúdo, por meio de pesquisa documental. O estudo propõe uma análise interpretativa, histórica, sobre a construção social da androginia através dos estereótipos publicitários exibidos na mídia. Nesta perspectiva, foram analisadas as construções dos estereótipos, signos e significados, relacionando-os com a contextualização histórica, política e sociocultural de cada década. Os meios de comunicação estão diante de homens e mulheres contemporâneos, atores sociais que vivem momentos de transição em relação aos modelos anteriores e que, por consequência, questionam os papéis de gênero e identidades, construídos e normatizados, a partir do binarismo masculino / feminino. Com a riqueza de possibilidades e desconfiando das certezas, lançamos uma questão interessada à publicidade: Como o imaginário atravessa aos preceitos sociais pautados na normatização cultural para a representação social da androginia na publicidade brasileira? Qual o espaço das identidades não-binárias em uma sociedade ocidental ancorada no binarismo de gênero? Como são construídos os estereótipos publicitários para a identidade ambígua? A trajetória de algumas sociedades ocidentais, como no caso do Brasil, traz, desde o início de sua constituição, a dominação masculina, transformando as relações de gênero, sociais e afetivas, através de métodos de submissão e poder. Nossas principais instituições, fora do lar, têm sido concebidas e operadas primordialmente por homens, funcionando conforme determinados tipos de princípios, atitudes e comportamentos que costumam ser chamados de “masculinos” e, dentro de casa, princípios, atitudes e comportamentos que costumam ser chamados de “femininos”. A compreensão das relações de gênero implica que sejam entendidas como as construções sociais identitárias, baseadas na diferenciação biológica dos sexos e expressas através de relações de subordinação e poder, as quais definem as atividades, normas e condutas esperadas para os homens e para as mulheres. O ponto de partida para esta pesquisa sustenta-se, principalmente, nos estudos sobre a pós-modernidade de Stuart Hall, e sobre A distinção e A dominação masculina, de Pierre Bourdieu. Pôde ser observado ao longo das últimas quatro décadas que as mudanças nas identidades foram significativas, deslocando-se de identidades para identificações. Na primeira década, entre os anos de 1975 e 1988, a androginia esteve ancorada na moda unissex. De 1989 a 1998, na segunda década, foi representada como ilustre, fantasiosa, luxuosa, com base no consumo conspícuo. A terceira década, compreendida entre 1999 a 2008, sua representação deu-se através da jovialização dos modelos, de estereótipos angelicais. A quarta e última década, entre os anos de 2009 a 2018, a representação social da androginia tornou-se fluida. Tais transformações abriram espaço para novas representações sociais não-binárias.

Leia

Comunicação, estratégia e resultado: um estudo do marketing na história, na teoria e na prática (2019)

KARAM, Karine

Orientador: Prof. Dr. Everardo Pereira Guimarães Rocha

Resumo: A presente tese tem como objetivo discutir o que é marketing a partir de três momentos. No primeiro momento, uma apreciação histórica do conceito é apresentada, analisando eventos que nos dão pistas de como pôde ter surgido um “pensamento de marketing”, com o intuito de compreender a raiz cultural do conceito. O segundo momento se dá através de conceitos e teorias propostos pelos autores reconhecidos no campo de estudos do marketing. Para isso, foram entrevistados professores na área de marketing, que apontaram um conjunto de autores e livros relevantes. A pesquisa analisa as obras indicadas pelos especialistas, problematizando os sentidos e as matrizes teóricas do conceito de marketing para esses autores. Por fim, no terceiro momento, a pesquisa propõe uma análise do marketing na prática, cujo objetivo é entender como as empresas entendem marketing e que papéis elas desempenham nas organizações. Para isso, será desenvolvido um estudo de caso da Coca-Cola Brasil, através de entrevistas com funcionários e ex-funcionários do departamento de marketing da empresa. Depois de realizar esta triangulação – história das práticas culturais do marketing, conceitos e teorias de marketing e estudo de caso – a pesquisa aponta as convergências e divergências entre esses três âmbitos. As conclusões sugerem que o marketing possui como um de seus principais fundamentos os processos comunicativos e suas representações culturais, sociais e históricas. O conceito de marketing converge em alguns aspectos na história, na teoria e na prática e sua aplicação constrói novas teorias à medida que o marketing evolui.

Leia

JB, um paradigma jornalístico: memória e identidade em narrativas míticas sobre o Jornal do Brasil (2019)

MADUEL, Itala

Orientador: Profª Drª Vera Lucia Follain de Figueiredo

Resumo: O Jornal do Brasil mobiliza certa ideia de jornalismo singular, baseada em uma série de valores (independência, liberdade, ousadia, credibilidade), símbolos de um padrão almejado pela comunidade jornalística ressignificados numa longa duração por ações de memória fortemente marcadas pela nostalgia. A partir de narrativas sobre o ser e o fazer jornalístico, recorrentes tanto nas páginas do jornal como nas da história da imprensa – material que tem como fontes, ao fim e ao cabo, testemunhos de jornalistas –, a tomada do Jornal do Brasil como paradigma é analisada tendo em vista a profunda transformação do ethos jornalístico.

Abstract: Jornal do Brasil mobilizes a certain idea of singular journalism, based on a series of values (independence, freedom, boldness, credibility), symbols of a pattern longed for by the journalistic community re-signified in the long run by memory actions strongly marked by nostalgia. Starting from narratives about the journalistic being and doing, recurring both in the pages of the newspaper and in the history of the press – material that depends anyway on testimony from journalists –, the taking of Jornal do Brasil as a paradigm is analyzed in view of the profound transformation of the journalistic ethos.

Leia

As narrativas jornalísticas sobre os animais: o biocentrismo na contemporaneidade e o jornalismo de referência em rede (2019)

MIRANDA, Amli

Orientador: Prof. Dr. Leonel Azevedo de Aguiar

Resumo: Este trabalho apresenta e discute a hipótese de que o jornalismo de referência, sempre destacado pelas pesquisas pelo seu compromisso com a mediação social e ação pelos direitos democráticos, busca atrair a audiência para as pautas sobre os animais através das estratégias do infotenimento. Nesse contexto, esta tese faz um percurso teórico sobre a história das relações entre humanos e animais na filosofia, na literatura e no cinema; apresenta as principais formas de engajamento social e as principais manifestações legislativas da causa animal; percorre os textos clássicos do discurso biocêntrico; e analisa a relação do jornalismo com o entretenimento na rotina de seleção e produção das narrativas jornalísticas. Através da metodologia de análise de conteúdo, os resultados mostram que os discursos sobre os animais nos jornais de referência, selecionados como objetos de estudo, comprovam empiricamente o paradoxo do campo jornalístico entre o polo comercial e o ideológico. As matérias podem ser um impulso na audiência, mas também destacam a mudança de um sistema de pensamento do antropocentrismo para o biocentrismo.

Leia

TEU CORPO NÃO É ROSTO: Expressividade facial e sua relação com o culto à juventude na cultura midiática. (2019)

VIDAL, Elaine

Orientador: Prof. Dr. Jose Carlos Souza Rodrigues

Resumo: A proposta fundamental deste estudo versa sobre a expressividade facial e o culto da eternização da juventude, exemplificado nas imagens dos indivíduos na cultura midiática. Aqui, as lentes são voltadas para corpo feminino ao longo da história e na sociedade contemporânea, digital e narcísica. Ressalta-se que, embora nos séculos XX e XXI este corpo seja socialmente aceito e com a “revolução” sexual tenha se tornado um pouco mais independente e um dos principais suportes publicitários, por vezes os corpos femininos continuam estereotipados e subjugados. Em uma atualidade cuja corporeidade é midiatizada e milimetricamente controlada, corpos femininos com rugas e marcas da vida são excluídos do espaço publicitário e do espaço público, encaminhados para desempenhar papéis sociais bastante específicos e muitas vezes estereotipados. Assim, observamos o êxodo das sem idade (ageless) das capas de revistas. É apresentado o corpo como um objeto de desejo que se desgasta com o tempo. Observa-se o corpo liberado física e sexualmente na publicidade, moda e filmes, tornando-se cada vez mais carregado de conotações e objeto de investimento, consumo e obsessão. Verifica-se que em algumas culturas o corpo todo é rosto e este corpo-rosto é lugar mais humano do sujeito, onde se cristalizam os sentidos de identidade e se estabelece o reconhecimento do outro. Em uma cultura midiática a publicidade se apresenta como a “arte oficial do capitalismo” (HARVEY, 2005, p. 65). Ela é fruto do contexto histórico em que está inserida, não um fenômeno isolado. Hoje ela é um elemento híbrido e assume um importante papel econômico e social em uma realidade voltada para o consumo massivo. Parafraseando Jameson (2001), com sua retórica e formações imagéticas a publicidade se apresenta como mediadora essencial entre a sociedade, sua cultura e economia. Este trabalho debruça sobre a conexão entre a saída dos rostos sem rugas e marcas de expressão dos anúncios publicitários para os consultórios estéticos, consequentemente para as ruas e para os locais sociais para os quais estes rostos são encaminhados.

Leia

O extraordinário sujeito comum: um estudo sobre influenciadores, dinâmicas de identidade e práticas publicitárias. (2018)

ANTUNES, Amanda

Orientador: Profª Drª Claudia da Silva Pereira

Resumo: Esta tese apresenta um estudo sobre o contexto contemporâneo de valorização do sujeito comum que, no âmbito das práticas publicitárias e de consumo, engendra processos de construção e afirmação de identidade e estilo de vida, visibilidade, performance de autenticidade e dinâmicas de reconhecimento e prestígio, relacionados a aspectos da Comunicação. Nesta via, traz como foco de investigação estratégias de marcas que promovem engajamento e relacionamento com influenciadores, em especial “embaixadores de marca”, estabelecendo uma afiliação com estes sujeitos que, embora comuns, são dotados de um significativo potencial de influência dentro do seu grupo. Tais práticas criam um tipo de mensagem hibridizada que ganha corpo e amplitude expositiva, sobretudo, nos sites de redes sociais, ao se concretizar nas narrativas de si construídas - espera-se - de maneira autêntica por esse potencial consumidor, elemento chave no processo. O objetivo principal deste estudo é, portanto, compreender quem é, como se define e o que representa para os outros um sujeito comum que empresta sua vida, no limite, sua própria identidade para a marca. Defende-se a ideia de uma natureza paradoxal própria dessa figura emblemática que pode ser entendida como um sujeito “comum-extraordinário”, que se torna destacável por sua ordinariedade, e também uma “representação-mídia”, já que é familiaridade e ancoragem de identidade acessível e estilo de vida distintivo, interessante para aqueles que o seguem pelo aspecto comum e para a marca pela possibilidade de enunciação de mensagens e estabelecimento de elo de conexão com os demais consumidores. Nesse contexto, a autenticidade se revela como valor importante, sendo garantida e gerenciada através de performance de si de qualidade dupla, porém extremamente imbricada: no âmbito subjetivo e no papel de influenciador. A análise do fenômeno a partir de um objeto empírico, como os projetos observados, além das entrevistas em profundidade realizadas com embaixadores de marca permitiram inferir que as práticas publicitárias e o consumo têm contribuição especial no processo de conformação desse sujeito “comum-extraordinário”, garantindo-lhe a chancela que atribui distinção e notoriedade. Somam-se a isso a atuação reflexiva de apresentação de si para o outro, tanto nas redes (digitais) com nas rodas (de conversa), nas ruas, e as possibilidades oferecidas pelo ferramental tecnológico, resultando no reconhecimento e prestígio (esperados) que acabam por legitimar esse mesmo sujeito. Este estudo busca, por fim, contribuir com reflexões acerca de temas que envolvem o fenômeno, tais como: modelos publicitários adequados à cultura participativa, na qual sujeitos comuns adquirem grande relevância; práticas de consumo e maneiras de se estabelecerem as trocas simbólicas por ele mediadas na contemporaneidade; processos comunicacionais e de construção identitária que subjazem às práticas de exposição de si, gerenciamento de impressões, negociações e articulações de propósitos diversos.

Leia

Alberto Cavalcanti – Homem Cinema (2018)

CANUTO, Roberta

Orientador: Profª Drª Angeluccia Bernardes Habert

Resumo: Esta pesquisa investiga o cinema realizado por Alberto Cavalcanti, sua herança e a presença de
traços conceituais e estéticos de sua obra na cinematografia italiana do pós-guerra. Existem duas
características centrais que indicam similaridades entre o cinema realizado por Cavalcanti e o
Neorrealismo: a priori, os aspectos sociais e poéticos intensos de seu trabalho, principalmente em sua
fase francesa, em filmes como Rien que les heures (1926) e, mais tarde, mais explicitamente no
cinema documental inglês em filmes como Coalface (1935). E a posteriori, o fato de Cavalcanti
romper com as fronteiras entre documentário e ficção, desde de Rien que les heures e , sobretudo, na
sua fase na General Post Office Film Unit. A partir dessas premissas, será possível afirmar a existência
das raízes do cinema moderno, historicamente creditadas ao Neorrealismo Italiano.

Leia

Histórias de consumo e ilusões sociais: grandes magazines, shopping centers e classes médias (2018)

CORBO, William

Orientador: Prof. Dr. Everardo Pereira Guimarães Rocha

Resumo: Esta tese examina as articulações entre as dinâmicas do consumo e a formação das classes médias, através do estudo de duas importantes experiências históricas do capitalismo: o surgimento dos grandes magazines nos centros urbanos europeus entre a segunda metade do século XIX e o início do XX; a emergência dos shopping centers nos subúrbios norte-americanos em meados do século XX. De maneira mais específica, pretende-se analisar as formas pelas quais esses movimentos do consumo em expansão impulsionaram o recrutamento de grupos sociais e sua aproximação com o mundo dos bens e, nesse processo, geraram imagens, ideias e representações de classes médias consumidoras. Vamos investigar as particularidades dessas experiências, explorar as características de seus contextos e observar as permanências de seus projetos. Parte-se da premissa que o consumo é um elemento central na cultura moderno-contemporânea e, portanto, estudar suas lógicas, estruturas e significados pode contribuir para a compreensão dos valores e ideologias que orientam nossa vida social. Em um exercício de antropologia histórica, esta tese busca destacar que, além das questões e temas relacionados à economia e à produção, as experiências e sensibilidades ligadas à cultura, ao simbólico e ao universo do consumo também podem fornecer ideias, apresentar descobertas e decifrar estruturas fundamentais para o entendimento do capitalismo.

Leia

Em Busca da Felicidade: O Cinema e a Utopia do Bom, do Bem e do Melhor (2018)

COSTA, Ney

Orientador: Prof. Dr. Miguel Serpa Pereira

Resumo: O Cinema é um organismo vivo que está entre os homens e as coisas e alguns de seus movimentos são de procura de um sentido para aquilo que nos acontece no intervalo entre a chegada e a partida; a busca da felicidade, o reencontro com o outro e o mundo. O trabalho procura as linhas comuns e as diferenças entre as comédias americanas dos anos 30 e 40, estudadas por Stanley Cavell, as comédias brasileiras no final dos anos 50 e os dois Pequenos Dicionários Amorosos, filmes de 1997 e 2016. Há em comum entre eles o impulso de seus personagens de tornarem-se melhores, de reconhecer a existência do outro e superar o ceticismo que paralisa e nos confina à impossibilidade do conhecimento.Ao reconhecer e aceitar os limites da existência e do conhecimento a Comédia não nos lança no ceticismo,nem nos faz rir da vida, o que seria cinismo,mas, sim,nos ensina a rir na vida e nos liberta

Leia

Espelhos do tempo: viagem e transitoriedade nas narrativas cinematográficas (2018)

FRID, Marina

Orientador: Prof. Dr. Everardo Pereira Guimarães Rocha

Resumo: A presente tese analisa as representações de “viagens no tempo” em um conjunto de produções da indústria cinematográfica dos Estados Unidos. O objetivo do estudo é compreender as concepções sobre o tempo elaboradas nos filmes selecionados e como estas se relacionam com o pensamento e as práticas do Ocidente moderno-contemporâneo. Especificamente, a investigação foca em filmes nos quais personagens se deslocam entre momentos históricos ou os vivenciam repetidas vezes. A expressão “viagem no tempo” envolve significados diversos. Portanto, o esforço de pesquisa começa por entender suas possíveis definições. O primeiro capítulo faz uma revisão de algumas das vertentes teóricas sobre o tempo na tradição filosófica-científica ocidental. Já o segundo capítulo explora interpretações sobre o fenômeno do mito e, além disso, examina o histórico da ficção científica. Após delimitar e detalhar o material selecionado no terceiro capítulo, a tese se volta para a análise textual dos filmes. O exame do conjunto indica três grandes questões atreladas às “viagens no tempo”: as cosmologias e imagens do fim do mundo; a demarcação e conexão de diferentes tempos por meio de objetos, e a problematização das relações sociais, sobretudo, o parentesco. Cada uma dessas questões é analisada no quarto capítulo. A tese demonstra como os filmes traduzem o tempo em termos concretos através das trajetórias dos personagens e seus artefatos, que, ao desconhecerem a ordem histórica, geram paradoxos, encontros e desencontros na vida social.

Leia

O processo de criação do personagem no documentário (2018)

MARIANI, José

Orientador: Profª Drª Angeluccia Bernardes Haber

Resumo: A presente tese busca uma reflexão acerca da realização do cinema docu-mentário, centrado na análise de filmes. A metodologia adotada para abordar este tema é focada na questão da autoria, a autoridade do diretor. Observa-se que o analista é essencialmente um espectador diante do filme projetado, trabalhando com “ferramentas” teóricas associadas à sua memória (experiência) e sensibilida-de. Busca-se aqui a adequação da análise às referências teóricas que auxiliam a leitura e interpretação do texto fílmico. Parte-se do princípio de que a criação do personagem está no centro do processo de realização do cinema documentário, onde a “autoridade do diretor” aparece na concepção dada ao personagem, estabe-lecendo as conexões entre a estrutura da narrativa e o dispositivo de filmagem. Os personagens assim “existem” nas narrativas não ficcionais. No caso do filme do-cumentário o personagem tem uma configuração específica, uma dupla camada, sendo ao mesmo tempo ator social e personagem criado, de modo adequado à narrativa.

Leia

Cidade, cultura e resistência: O Novo Museu da Imagem do Som do Rio de Janeiro e a cultura carioca (2018)

MOREIRA, Gabrielle

Orientador: Prof. Dr. Jose Carlos Souza Rodrigues

Resumo: A construção de uma nova sede para o cinquentenário Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro na praia de Copacabana é parte do momento de requalificação da cidade do Rio que busca imprimir um viés turístico e cosmopolita à cidade. O projeto é uma iniciativa do Governo do Estado através da Secretaria de Estado de Cultura em parceria com a Fundação Roberto Marinho. O projeto arquitetônico assinado pelo escritório americano Diller Scofidio ocupa uma área total de sete mil metros quadrados, no endereço Avenida Atlântica nº 3432, conhecido endereço da cidade que antes era ocupado pela discoteca Help. O prédio foi idealizado para se tornar um ícone arquitetônico para a cidade e para Rio no momento em que a cidade se volta para o competitivo sistema global. O objetivo principal da tese é demonstrar que o Novo Museu tem um duplo propósito integrado. Ao ser lugar de guarda de um importante acervo da cultura carioca visa consolidar valores estéticos e estilos de vida considerados tipicamente cariocas, que muitas vezes são tratados como metonímias da nação, mas que no MIS são convocados a conclamar a identidade carioca como parte do deslocamento do Rio-nacional para o Rio-local. Ao mesmo tempo, o conjunto de ideias que atravessa a elaboração da nova sede do MIS esbarra constantemente na noção de resistência, termo que acompanha o imaginário da cultura carioca como vetor de elaboração de uma identidade local que tensiona o imaginário nacional, buscando recuperar o protagonismo de uma narrativa hegemônica carioca de alguma forma perdida. A resistência é um conceito-chave nesse processo, que permite deslocar para o plano cultural as disputas discursivas e políticas que cercam os jogos de poder em torno da relevância econômica, cultural e política do Rio no cenário nacional desde a transferência da capital. É fundamentalmente no campo das manifestações culturais que esse processo irá se desenvolver, embaralhando o potente imaginário do Rio e da cultura carioca como “resistência” com um conjunto de valores e imposições que parecem a todo instante questionar a legitimidade e o valor cultural (e político) da cidade e de sua cultura.

Leia

Mídia e Exteriorização do Self: Exposição de Intimidade e Culto ao Corpo (2018)

THEBALDI, Bruno

Orientador: Profª Drª Vera Lucia Follain de Figueiredo

Resumo: Entende-se, aqui, o complexo processo de formatação das subjetividades contemporâneas a partir de dois fenômenos principais, os quais são observados não de forma isolada, mas em concomitância, isto é, ocorrendo ao mesmo tempo, sem que se anulem. Ao contrário, os dois se somam. São eles: a exibição de particularidades da vida dita privada nos meios de comunicação, em especial nas redes sociais da web em sua fase 2.0, como Facebook, Twitter, Instagram e You Tube, a qual podemos aludir como “exposição de intimidade”, e a crescente e desenfreada preocupação com a obtenção do chamado “corpo perfeito”, em geral associado, nas narrativas midiáticas, ao porte torneado ou musculoso, fomentando o movimento conhecido como “culto ao corpo”. Na tentativa de encontrar proximidades e afastamentos entre o atual modelo de subjetividade predominante, que começou a emergir a partir de meados do século XX, e o anterior, em voga, sobretudo, entre os séculos XIX e primeira metade do XX, esta tese de doutorado coteja dois momentos históricos distintos. Para tanto, a opção foi analisar o discurso de periódicos nacionais, de grandes e pequenas cidades, situado nesses dois recortes temporais. Dessa investigação, a conclusão foi a de que, ao contrário do que alega a maioria dos estudos sobre o tema, a força da exteriorização, tão marcante aos dias atuais, também já estava presente e se fazia sentir no modelo subjetivo de antes, ainda que atuasse de modo diferente: se hoje o predomínio é o da “exteriorização ativa”, quando o próprio indivíduo expõe a si mesmo, anteriormente o mais observado era o que batizamos de “exteriorização passiva”, quando o indivíduo é exteriorizado por terceiros, às vezes sem o seu consentimento ou sapiência. Igualmente os objetivos almejados com a exteriorização cambiaram de um momento a outro: no século XIX e primeira metade do XX, buscava-se, notadamente, constranger e/ou envergonhar o outro, especialmente pela difusão de comportamentos considerados “desviantes” ou “inapropriados” à moral da época; agora, por sua vez, procura-se, sobre todas as coisas, a captura do “olhar do outro”, “ser visto”, o que ascende o sentimento de prestígio social.

Leia

O Ensino Específico do Jornalismo e os Desafios Contemporâneos da Comunicação (2018)

VAZ, Elida

Orientador: Prof. Dr. Leonel Azevedo de Aguiar

Resumo: Formar jornalistas é certamente uma das tarefas mais complexas e difíceis e ao mesmo tempo instigante. Com todas as transformações porque passa o campo da comunicação e mais especificamente o do jornalismo, tanto pela disponibilidade de infinitos recursos tecnológicos, quanto pelas mudanças nos modos de produzir e consumidor informação e notícia, a formação dos jornalistas se destaca como um dos temas centrais da área e objeto de inúmeras análises. O propósito desta tese é justamente refletir sobre a necessidade de a formação universitária dos que se dedicam à profissão ter uma especificidade capaz de atender, e responder, aos desafios impostos pela contemporaneidade. Para isso, realizou-se uma pesquisa bibliográfica destinada a traçar o papel da universidade no Brasil, a trajetória do curso de Jornalismo, do seu surgimento, passando pelas Diretrizes Curriculares Nacionais, implementadas em 2016, além da identificação da visão e das propostas de alguns dos principais personagens desse percurso, escrito com muitos percalços e descontinuidade. A discussão proposta se dá a partir dos modos de ver dos principais envolvidos neste processo: alunos, professores e profissionais. Foram entrevistados alunos de 1º e 8º períodos e professores das principais instituições de ensino do Rio de Janeiro, além de profissionais que atuam em diferentes áreas da profissão, como redações, empresa pública de comunicação, assessoria de comunicação e de imprensa, além de produções digitais, como sites e portais de notícias.

Leia

Novas tendências no lidar com a morte: festas/velórios, mídia digitais, espetáculo e personalização (2017)

ALBUQUERQUE, Milena

Orientador: Prof. Dr. Jose Carlos Souza Rodrigues

Resumo: Novas tendências no lidar com a morte: festas/velórios, mídia digitais, espetáculo e personalização” é o tema desta tese, que tem o objetivo de examinar as novas tendências no lidar com a perda e de examinar como as pessoas usam a internet para reconfigurar suas manifestações de afeto, tristeza, lembranças, homenagens, especialmente nas áreas mais sensíveis da vida. Tentativas de fazer com que o fim e a despedida sejam mais fáceis e menos desagradáveis. A pesquisa também aborda as novas configurações dos funerais e novas atitudes diante da morte e os pretensos avanços da ciência e da tecnologia no combate à mesma. Para tanto, a investigação busca compreender a busca da transcendência do homem por meio da tecnologia e as tendências à formação (ou criação) de um novo tipo de homem: o ciborgue. O exame do material reafirma o extremo apego que o homem do Ocidente tem à vida biológica.

Leia

Primeira página: do grito no papel ao silêncio no jornalismo em rede. (2017)

BARSOTTI, Adriana

Orientador: Prof. Dr. Leonel Azevedo de Aguiar

Resumo: Do grito no papel ao silêncio no jornalismo em rede, primeiras páginas e home pages expressam dois momentos do jornalismo. Manchetes costumavam seduzir o público nas ruas, contribuindo para o agendamento da sociedade e para a construção da memória, mas hoje a invisibilidade ameaça as home pages. É por links nas redes sociais e mecanismos de busca – ambientes regidos por algoritmos, e não por valores-notícia – que a maioria da população se informa. Para refletir sobre essas duas fases do jornalismo, a tese primeiro mapeia o surgimento da primeira página moderna no Brasil em cinco jornais: Jornal do Brasil, Gazeta de Notícias, O Paiz, Correio do Povo e O Estado de S.Paulo. Em seguida, revela os resultados de estudos etnográficos em duas redações – O Globo e O Estado de S. Paulo – e de análise de conteúdo comparativa de notícias dos três principais jornais de referência do país – Folha de S.Paulo, O Globo e O Estado de S. Paulo – nas redes sociais e em suas primeiras páginas. Apresenta ainda 26 entrevistas em profundidade com editores e ex-editores de primeiras páginas e home pages. Com base na premissa que a crise do jornalismo é fruto da crise da modernidade, o objetivo foi investigar rupturas e continuidades nas práticas jornalísticas. Os resultados revelam que os jornalistas se preocupam com os efeitos da fragmentação na leitura sobre a configuração da agenda e memória sociais. Para alcançar o público, eles têm adotado novas rotinas produtivas, publicando notícias propagáveis nas redes sociais, entre outras práticas. Por outro lado, continuam acreditando no compromisso com a prestação de serviço público e com o agendamento da sociedade.

Leia

Dialéticas da desconstrução: Maio de 68 e o cinema. (2017)

ESTEVES, Leonardo

Orientador: Profª Drª Andrea França Martins

Resumo: Dialéticas da desconstrução: Maio de 68 e o cinema tem como objetivo o estudo da desconstrução do cinema francês que emerge motivado pelo Maio de 68 tendo como referência principal a filmografia de três grupos que surgem no período: Dziga Vertov, Zanzibar e Medvedkine. A desconstrução é analisada tendo como base processos dialéticos que visam demonstrar uma qualidade movente, que permita dissociá-la do debate entre críticos para a qual é geralmente associada. O período sobre o qual a filmografia analisada aqui está confinada (1968-1974) compreende não apenas o surgimento e término dos grupos citados, mas mudanças internas nas artes marxistas utópicas que se veem impulsionadas por 68. Estas transformações no cinema são estudadas nesta tese tomando como referência a obra de Herbert Marcuse, no período que contempla a aparição das obras O homem unidimensional (1964) e A dimensão estética (1977). Desta forma, a tese investiga uma desconstrução histórica, na transmissão de técnicas e estéticas entre neovanguardas francesas do pós-guerra; uma desconstrução teórica, entre os críticos da Cahiers du cinéma e Cinéthique a partir de 1969; e uma autodesconstrução, referente a um reposicionamento que inverte política e estética na obra dos três grupos citados.

Leia

Rabisca pro lado e publica: juventudes e estratégias de visibilidade social e midiática, do passinho carioca ao ativismo de Nova Orleans (2017)

MAIA, Aline

Orientador: Profª Drª Claudia da Silva Pereira

Resumo: A presente tese discute estratégias de visibilidade social e midiática a partir de práticas de comunicação empreendidas por jovens no Rio de Janeiro (RJ), Brasil, e em Nova Orleans (LA), Estados Unidos. Para tanto, são apresentados relatos de estudo de campo realizado nestas cidades, apoiado no método etnográfico – elegendo como ferramental a pesquisa participante e a análise qualitativa em perspectiva feminista –, além do amparo teórico alicerçado em tópicos da Comunicação, da Sociologia e da Antropologia, principalmente. Os sujeitos observados no Brasil (2014-2016) são idealizadores, promotores e participantes de festivais e batalhas de passinho, dança que surgiu nos anos 2000 nas favelas cariocas. Enquanto estilo que congrega cada vez mais meninos e meninas, com significativa repercussão midiática, o passinho revela aspectos comuns aos indivíduos favelados, situações cotidianas que passam por escolha de caminhos a seguir, conflitos de interesses pessoais e da família e a relação com o território que, em resposta a um estigma de lugar, tem sido ressignificada no orgulho da afirmação “sou favelado”. Na singularidade do corpo performático, o passinho posiciona o dançarino nas questões coletivas que o aproxima de outros em condições semelhantes. Já a investigação em campo em Nova Orleans (2015-2016) permitiu a observação do ativismo juvenil em eventos de poesia (spoken word) organizados pelo New Orleans Youth Open Mic e em postagens do Blog Noirlinians, que explora moda, cultura e território, na esteira de movimentos sociais contemporâneos, como Black Lives Matter. Ambos mobilizam majoritariamente jovens "pretos", conectados por referenciais e práticas de auto-reconhecimento como via possível de produção de visibilidade em um contexto que o estigma está na cor da pele. Os grupos acompanhados no Brasil e nos Estados Unidos têm em comum a criatividade e a expressão corporal como fórum de discussão e meio de representação, além do uso de mídias sociais digitais e website para promoverem suas atividades, comunidades e a si próprios, ultrapassando, pela mobilização cultural e artística, a geografia de suas cidades. A partir do tripé juventudes, representações e visibilidade, que sustenta esta análise, verificou-se nos comportamentos e práticas juvenis a manifestação de indivíduos que percebem e assumem a relação social como uma experiência que passa pela via da sensibilidade, transcendendo interações pessoais e apoiando-se, cada vez mais, no campo das possibilidades advindas da vida digital, a fim de buscar reconhecimento em um contexto de padrões de valoração sociocultural institucionalizados que fazem com que algumas pessoas se tornem invisíveis, simplesmente pelo fato de não responderem a modelos ideais de ser, ter, pertencer, comportar-se, como os participantes favelados e “pretos” deste estudo. Nesta composição, ‘corpo’ e ‘novas tecnologias’ surgem, então, como elementos estratégicos na construção e proposição de (auto)representações entre as juventudes observadas, de forma que se evidenciam, pelo menos, dois aspectos: 1) O corpo juvenil destaca-se como a própria mídia, plataforma central, explorada como território político, construído poética e culturalmente; 2) Práticas comunicacionais possibilitadas por novas tecnologias potencializam distintas experiências de subjetivação. Tais experiências permitem a apreciação do saber proveniente da sensorialidade: as maneiras como jovens habitam diferentes territórios – físicos e virtuais - e traçam suas trajetórias – muitas vezes agindo individualmente, porém, jogando luz sobre competências coletivas.

Leia

A educação como bem de consumo: discursos publicitários sobre a universidade e a juventude no Brasil (2017)

MOCARZEL, Marcelo

Orientador: Profª Drª Claudia da Silva Pereira

Resumo: Este tese buscou analisar os discursos publicitários sobre a Educação Superior, tendo a juventude como personagem principal. Analisamos todas as edições da Revista Veja, entre 1997 e 2016, destacando os anúncios institucionais de instituições privadas. Foram cerca de 1090 edições analisadas, totalizando 140 mil páginas, das quais destacamos 20 anúncios que nos ajudaram a representar os movimentos que o mercado realizou em torno da educação superior. Fizemos uso da Análise de Discurso como metodologia de interpretação. Iniciamos a pesquisa realizando um breve panorama da modernidade e do capitalismo, a fim de explicarmos o fenômeno do neoliberalismo, imprescindível para o entendimento do setor educacional. Em seguida, nos aprofundamos no estudo da publicidade como pedagogia para o consumo do capitalismo, enfocando nos aspectos mágicos e educacionais da mesma. Depois, buscamos estudar a juventude enquanto categoria social, em diferentes campos de atuação, dando destaque à sua relação com a política e a educação. Antes da análise das peças selecionadas, fizemos um inventário da Educação Superior no Brasil, com destaque de alguns marcos temporais para a sua mercantilização e a posterior financeirização. Como conclusões, percebemos que a publicidade acompanhou o processo mercadológico que atingiu as instituições de Educação Superior, denotando o desaparecimento da juventude nas peças, a bancarização da publicidade educacional, por conta da consequente oligopolização do setor.

Leia

Um cinema expandido: a experiência teórico-prática da Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu (2017)

MEDEIROS, Theresa

Orientador: Prof. Dr. Miguel Serpa Pereira

Resumo: Esta pesquisa investiga o processo de criação cinematográfico a partir da experiência teórico-prática da Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu (ELC), localizada no bairro de Austin, na região da Baixada Fluminense. Trata-se de um estudo realizado durante o ano de 2014, a partir de uma aproximação com a metodologia da escola e da observação das aulas de uma das turmas - especificamente dos dispositivos de criação que culminaram na videodança Montão de Coisa. A empiria apresentada está pautada nos registros das oficinas de audiovisual ministradas pelos mediadores da escola, nas anotações em caderno de campo, em registros fotográficos e vídeos feitos pela pesquisadora, no material publicizado pela ELC e também em duas entrevistas com a produtora, concedidas ao longo da pesquisa de campo. Advindas dos conceitos norteadores da metodologia da ELC, as categorias corpo, palavra e território aparecem nesta tese como chaves de leitura do processo de criação a fim de evidenciar as relações que permeiam o fazer cinematográfico na experiência da escola e mobilizam a criação da videodança em questão. A análise empreendida revela como o encontro destes sujeitos com o cinema, atravessado por processos criativos e subjetivos, permite que estes vivenciem uma experiência de alteridade, ou seja, de encontro com o outro e o mundo. Ao mesmo tempo, as tensões que permeiam este processo potencializam o encorajamento estético, dando, pois, a essa experiência também um caráter estético. Enquanto a palavra aparece como forma de expressão, enfatizando um campo simbólico, valorizando as singularidades linguísticas e gestuais dos alunos e mediadores, o corpo surge com suas tensões (aquele que opera a câmera e aquele que é filmado por ela) e a gestualidade extraída, trazida e trabalhada pelos alunos e mediadores. Por fim, é com e no território que essas ações se efetivam, tornando-o uma peça fundamental para entender como as ações de criação da ELC acontecem. Assim sendo, pensando o cinema expandido como aquele que ultrapassa os limites do cinema convencional (aquele cristalizado pelo cinema industrial e de entretenimento) e se projeta em outras telas, em outros espaços, conclui-se ser este o cinema vivenciado em Austin. Visto pelo viés de uma expansão, em meio às ações que são frutos dos dispositivos e das tensões que permeiam o processo de criação, ele [o cinema] se constitui em meio à inventividade do cotidiano daquele espaço e à criatividade dos sujeitos envolvidos.

Leia

Coleção Os Pensadores: aura do livro e mercado editorial (2017)

GOMBERG, FELIPE

Orientador: Profª Drª Vera Lucia Follain de Figueiredo

Resumo: Esta tese investiga o fenômeno do sucesso editorial da coleção Os Pensadores publicada durante 30 anos, a partir de 1972, pela Abril Cultural, divisão de livros e fascículos da Editora Abril que operou entre 1968 e 1982. Esta pesquisa considera o contexto social, político, editorial e acadêmico em que a coleção surgiu. O objetivo é compreender as razões da auratização dessa coleção por intelectuais e por um público mais amplo, e principalmente compreender por que foi criada, que papel teve e a relação com a sociedade brasileira da época. Exclusivamente para este trabalho, realizamos entrevistas com profissionais que, em diferentes níveis, contribuíram para a elaboração da Coleção ou para sua recepção, como leitores qualificados.

Leia

A publicidade no Brasil: agências, poderes e modos de trabalho (1914 - 2014) (2016)

AUCAR, Bruna

Orientador: Prof. Dr. Everardo Pereira Guimarães Rocha

Resumo: Esta tese realiza um estudo da história e do desenvolvimento das agências de propaganda do Brasil, a fim de compreender os principais movimentos do campo da publicidade no país ao longo de cem anos. Parte-se da premissa de que a agência é a organização responsável por traçar as condições de existência do setor da publicidade e do aparecimento social do anúncio, como resultado e expressão de tipos de interação social e ação coletiva. O marco cronológico é fixado a partir da fundação da Eclética, em 1914, a primeira empresa que elabora uma disposição profissionalizante e coopera para a formação de um segmento profissional, até então inexistente. A pesquisa procura mapear o curso das agências, suas conexões com as transformações histórico-culturais, realçando o desenvolvimento empresarial para discutir o peso do discurso publicitário na constituição dos códigos culturais. O foco recai no exame dos agentes sociais e suas ações como partes determinantes da produção do conhecimento e da elaboração das identidades culturais em um determinado sistema social. Através da pesquisa bibliográfica e aproximação da rotina produtiva da publicidade, é possível perceber a importância da atuação conjunta de identidades para a viabilidade do trabalho. Neste sentido, a teoria da ação coletiva de Howard Becker ancora a reflexão sobre as identidades culturais dos sujeitos que produzem os anúncios dentro de uma agência de propaganda e suas formas de operação, elaboradas, historicamente, para a produção deste dispositivo de comunicação. O quadro teórico adotado também enfatiza a perspectiva cultural da publicidade e trabalhos que destacam a preponderância do simbólico na construção dos seus significados públicos. Além da conjuntura interna das empresas de propaganda, o estudo também pondera, de forma mais ampla, a publicidade como uma narrativa central na sociedade moderno-contemporânea, uma vez que ela produz e faz circular temas que impactam subjetividades e oferecem componentes para o estabelecimento de signos e práticas que nos definem como uma sociedade de consumo.

Leia

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA
DO RIO DE JANEIRO

Rua Marquês de São Vicente, 225
- Prédio Kennedy - 6° andar Gávea
Rio de Janeiro, RJ - Brasil - 22451-900
Cx. Postal: 38097
tel. +55 (21) 3527-1144 • poscom@puc-rio.br